Taxas de juros das operações de crédito têm maior queda mensal na série histórica

Com as novas regras do rotativo do cartão e as recentes reduções na taxa Selic, os juros das operações de crédito experimentaram o maior recuo mensal na série do BC: a taxa média total caiu 1,9 ponto percentual (p.p.) e a taxa média para as operações com recursos livres recuou 3,4 p.p. “Nunca havíamos observado em um mês quedas tão pronunciadas como as registradas em abril”, afirmou Tulio Maciel, chefe do Departamento Econômico, durante divulgação da Nota de Política Monetária na quinta-feira (25).

De acordo com Túlio, as reduções recentes da taxa Selic foram um dos principais fatores. “Metade desse movimento pode ser atribuída ao recuo esperado das taxas, em conformidade com o ciclo da política monetária”.

Já o recuo da taxa de juros do cartão de crédito rotativo é resultado da medida que limitou o rotativo a 30 dias. Após esse prazo, o cliente precisa liquidar o saldo devedor, com recursos próprios ou obtidos junto a instituições financeiras, em condições mais vantajosas e com número de parcelas definido. A mudança foi anunciada em janeiro, como parte do pilar Crédito mais barato, da Agenda BC+, e entrou em vigor em 3 de abril.

O intuito da medida era reduzir os riscos dessas operações, buscando interromper essa permanência indefinida do cliente no rotativo. Isso propicia condições para a redução do custo e é o que estamos observando, no caso do pagador regular”, explicou o chefe do Departamento Econômico.

Os juros no rotativo do cartão de crédito para clientes regulares – que pagam pelo menos o valor mínimo da fatura – caiu de 431,1% ao ano em março para 296,1% ao ano em abril, redução de 135 pontos percentuais.

Parcelado Migrado
Uma nova modalidade foi incorporada ao relatório, a do “Parcelado Migrado”, para que fosse possível ao BC acompanhar estatísticas relacionadas ao cliente que saiu do crédito rotativo e migrou para outro tipo de parcelamento.

Banco Central