Vaquejadas poderão ser liberadas em todo Brasil

Vaquejadas poderão ser liberadas no Brasil, PEC que a regulariza promulgada pelo Senado

Senado aprovou em dois turnos na última terça-feira, 06, a PEC 50/2016 que regulariza a realização das Vaquejadas. Senadores nordestinos conseguem apoio da maioria que aprova o texto que seguirá para a Câmara dos Deputados. PT foi orientado a votar como quiser e Rede a votar contrariamente.

As vaquejadas contribuem para o emprego direto e indiretamente mais de 1 milhão de pessoas. A economia das regiões mais vulneráveis, como as regiões Norte e Nordeste sofrem sem essas atividades. A cultura corre o risco de ser esquecida em longo prazo caso a decisão do STF não seja revista. A presente PEC, afirmam Senadores que a defendem, dará esperança aos ativistas culturais.

A senadora Gleisi Hoffman (PT), contrária à PEC comparou Vaquejada ao MMA, sendo que no segundo os humanos têm o livre arbítrio para estarem correndo o risco diferente dos animais irracionais. Cássio Cunha Lima (PSDB) e outros defenderam que a ideia da PEC é garantir a integridade dos animais e contribuir para o desenvolvimento econômico das regiões de maior tradição do esporte cultural.

Presidente Temer sancionou a Lei que torna rodeios e vaquejadas patrimônio imateriais em 2016. Sendo assim falta a Lei específica que garanta o bem-estar dos animais. O STF entende que a vaquejada é uma prática cruel, no entanto, pode mudar sua opinião a partir dessa Proposta de Emenda à Constituição. STF derrubou em 2016 Lei cearense que regularizava naquele Estado o esporte Vaquejada.

Amantes do Esporte Vaquejada, vendedores ambulantes, cuidadores de animais, veterinários, empresários e todos os demais envolvidos com a tradição de origem nordestina comemoram a real possibilidade de terem de volta a liberdade de executarem seus trabalhos sem risco de estarem na ilegalidade e assim poderem dar uma melhor condição de vida às suas famílias.

Sobre Turismo, veja:

Sebrae vai investir 93 milhões de reais em Turismo até 2018: Acesse aqui e saiba mais.

Com Senado Federal